Irmandade da Adaga Negra

Parte I

Estou relendo a série para a leitura de Lover at Last e como a Rô deu a ideia fiz um post a respeito dos dez livros já lançados. Pensei muito a respeito de como escrever e do que abordar nesse post, mas aviso que caso alguém não goste de spoiler não leia além do livro que leu, pois é série e do livro dois para frente tenho que citar alguns acontecimentos. Então vamos a alguns acontecimentos e comentários pessoais sobre os cinco primeiros livros da série, os outros ficam para a segunda parte pois é menos cansativo.

 

Antes de começar a falar individualmente a respeito de cada livro preciso falar que a série me chamou atenção mais pela mitologia trazida pela autora do que qualquer outra coisa, mas  é claro que vampiros esbanjando sensualidade e testosterona ajudou.

O mundo vampiro de Ward tem realeza (o Rei Cego), nobreza (a glymera), aqueles que vivem para cultuar a Divindade (as Escolhidas), os guerreiros (a Irmandade) e os civis. Obviamente temos também os inimigos dos vampiros que querem sua extinção, a sociedade Lessening ; temos também vampiros que foram separados da convivência com os demais por serem sociopatas (os sympath).

A Sociedade Lessening é o meio pelo qual o Omega tenta destruir a raça criada por sua irmã, a Virgem Estriba (alguém mais pensou em Zeus e Hades assim que leu sobre o embate Omega X Virgem Estriba?). Os membros da sociedades eram humanos sociopatas que aceitam Omega como mestre e Senhor para caçarem vampiros até que sejam apunhalados e mandados de volta ao lar.

Já os vampiros de J. R. Ward não são mortos vivos como nossa mitologia supõe, eles nascem dessa forma. O gene que se manifesta por volta dos 25 anos e ocorre a transição, quando realmente se tornam vampiros (nascem as presas e não podem mais se expor ao sol). A transição é um momento delicado que pode acarretar em morte mesmo quando há assitência de alguém para alimentá-lo.

Falando em alimentação esse é outro diferencial da série e da mitologia usual dos vampiros o sangue humano não os sustenta, sendo então a alimentação feita pelo consumo de sangue de vampiros do sexo oposto.

Amante Sombrio começa com Darius contando a Tohr que pretende pedir a Wrath (o ogro) que seja o macho que acompanhará sua única filha, Beth, a passar pela transição. Beth desconhece quem é seu pai e não sabe que está prestes a se tornar uma vampira, portanto não tem um macho que a alimento quando passar pela transição. Wrath, sendo o ogro que era no começo da série, se recusa a ajudá-la num e só muda de opinião com a morte de Darius e por considerar que tem uma dívida com o macho. Acho que não preciso dizer que Wrath fica de quatro, se vincula a Beth, que também ficou de quatro pelo vampirão, e acabam juntos pois estamos falando de romance.

Rhage é o irmão protagonista de Amante Eterno, ele é o mais belo dos irmãos e o melhor dos guerreiros, mas traz consigo uma maldição por ter ofendido a divindade de sua raça, a Virgem Estriba. Sua maldição consiste em liberar uma besta que não consegue controlar quando não está estável emocionalmente, e para manter a besta saciada Rhage a alimenta com lutas e sexo.  Mary, a mocinha da história, é uma humana que descobre que seu câncer retornou. Ela conheceu Rhage quando acompanha John Matthew, reencarnação de Darius, e Bella ao centro de treinamento da Irmandade. O guerreiro se apaixona pela humana e começa a desobedecer ordens, pois é ordenado a ele que apague a memória dela e ele não o faz.

A história de Amante Desperto se inicia realmente no segundo livro, é lá que Bella conhece Zsadist e resolve que é uma moça decidida e vai partir pra cima do vampiro. Mas Zasadist passou por muita coisa na sua vida, vamos resumir? Foi sequestrado por uma empregada da casa quando bebê, com a morte da sequestradora foi vendido como escravo, após passar pela transição foi utilizado como escravo de sangue e sua “função” não era simplesmente servir de banco de sangue. Já Bella é a filha de uma família de influência da glymera, que resolveu dar seu grito de independência do irmão e morar sozinha na casa vizinha a de Mary, mas no fim do livro dois é sequestrada pelo inimigo.

O livro do casal começa com Zsadist numa incessante busca pelo paradeiro de Bella, para tentar descobrir ele caça lessers esperando que algum deles saiba onde ela está. Bella ao contrário do que todos pensam não está morta e sim é mantida em cativeiro pelo redutor que a sequestrou por achá-la parecida com sua falecida esposa.

A história dos dois gira em torno de traumas de cem anos sendo abusado sexualmente, o que acontece com uma pessoa que perde as esperanças de ser alguém e não um objeto, o sentimento de estar sujo por tudo o que lhe ocorreu e o de não se achar digno de nada. Tudo isso é explorado no livro e o desenvolvimento de um personagem descobrindo-se um ser humano capaz de amar, ser amado, que alguém saiba o que lhe ocorreu e não sinta nojo dele, que ele é capaz de ter uma vida como todos os outros.

Butch O’Neal era policial da policia de Nova York e acabou entrando no mundo dos vampiros logo no primeiro livro quando conhece Marissa, a antiga prometida de Wrath. Em Amante Revelado temos o desenvolvimento do casal, o começamos a conhecer as preferências de Vishous e temos profecia da sociedade Lessening se cumprindo e a mais importante arma na guerra aparecendo. Sinceramente esse é um dos livros que menos gosto e o mais difícil de falar sobre qualquer coisa, o motivo é que esperava outro tipo de shellan para Butch, ainda não engoli que alguém com sua personalidade terminou com alguém como Marissa.

É nesse livro que John Matthew, Blay e Quinn ficam amigos, é também nesse livro que Blay passa pela transição. Tirando John esses meninos, principalmente Quinn, sempre foram coadjuvantes que me chamavam atenção e até chegar os últimos livros nunca pensei num livro protagonizado por um deles, eles eram aqueles coadjuvantes que o autor faz para que os leitores amem desde o começo mas não espere que tenham momentos de protagonista. Entretanto, esses dois roubaram tanto os holofotes que ganharam um livro, só que isso é assunto para outro dia.

O livro de Butch mostra um Vishous cheio de dilemas e fantasmas, conhecemos suas preferências sexuais pela primeira vez (elas são comente insinuadas nos primeiros livros) e percebemos logo que Vishous tem um gosto peculiar quando se fala em sexo!

Em Amante Liberto V, querendo fugir do pit e do clima de lua de mel no ar, vai ao seu apartamento privado e lá acaba descobrindo quem é sua mãe, aceita ser o Primaz da raça e isso muda tudo! De tão perturbado acaba a noite com um tiro no peito e sendo salvo por Jane.

Jane é a médica que salva Vishous e uma versão feminina de Butch, fala o que pensa e não liga muito para as consequências do que diz (quem pensa em enfrentar um monte de vampiros gigantescos é louco!). Particularmente gosto da Jane e do livro, ela é completamente o oposto da mocinha do livro anterior e isso me faz gostar bastante dela. Mas o desfecho dele é absurdo para mim e a torcida do Corinthians!

No livro ainda temos mais da demonstrações de Phury de se sacrificar pelos outros e também o início de sua decadência e da total falta de apoio que enfrenta em seu livro.

Por hoje é isso, no meu próximo post tem o apanhado dos cinco últimos livro da série.

Thaís