Olá!

A Seleção é um livro muito bem escrito. A autora desenvolveu a história facilmente e vai agradar todo o público, não só os adolescentes, por se tratar de um YA.

Neste primeiro volume conheceremos um pouco da história de como foi criado o estado de Iléa, depois dos EUA perderem a última Guerra Mundial, um estado dividido em castas, onde a Casta mais alta é a da realeza e a última é onde estão os trabalhadores servis e quase sem nenhuma instrução. Entre elas está a Casta responsável por selecionar as 35 candidatas entre as jovens inscritas, das quais restará uma, que será coroada Princesa de Iléa através de seu casamento com o Príncipe Maxon.

Conheceremos America, uma jovem diferente e que não aceita muito bem as regras impostas à sociedade em que vive, assim, quando chega a carta convidando-a para participar da seleção, ela primeiramente a rejeita, pois além de não concordar com aquilo, ela é apaixonada por Aspen desde criança e com ele vive um amor proibido, pois não pode haver envolvimento entre pessoas de classes diferentes.

Apesar de ser diferente, ela não consegue esconder o preconceito com relação a realeza – um dos grandes motivos para abominar a seleção. America é uma moça que acredita ser possível superar todas as divergências através do amor e isso a torna uma sonhadora, contudo ela é ciente de que se for selecionada, subirá de casta e ajudará sua família financeiramente.

Quando Aspen descobre que ela recebeu o convite, abre mão de seu namoro com Meri, o que a faz sofrer e ela acaba se inscrevendo mesmo contra sua vontade. Como ela poderia aceitar se apresentar diante de alguém para um novo futuro, se nem o conhece? Ela achava essa exposição humilhante, pois é como num reality show onde todo mundo acompanha o que acontece.

“(…) A idéia de entrar em um concurso que o país inteiro acompanharia só para ver um riquinho esnobe escolher a moça mais linda e sonsa do grupo para ser o rosto calado e bonito que apareceria ao lado dele na TV… era o bastante para me fazer gritar. Haveria humilhação maior?” Pág. 14.

 

Ela é escolhida entre as 35 candidatas para ficar no castelo e conhecer o Príncipe Maxon, passa a conhecê-lo melhor e se dá conta de que consegue ficar sem Aspen, gerando assim sua confusão sentimental. Pois apesar de seus sentimentos por Aspen, ela vê que Maxon não é nada do que ela imaginou e eles são mais parecidos do que achava possível em seus ideais.

Gostei muito do livro por ser completo: temos a distopia, contos de fada, romance, traição etc … Aguardo ansiosamente a continuação : A Elite assim como o conto que tem o título de O Príncipe que nos revela Maxon antes da seleção.

Torci muito pelo amor de Meri e Aspen no início do livro mas ao conhecer Maxon, passei a torcer muito para que ele conquiste o amor de Meri principalmente pelo que Aspen fez no início do livro e no decorrer da história, ao descobrir a besteira que fez.

O livro é muito fofo e um daqueles que você compra pela capa e tem uma agradável surpresa durante a leitura.

Recomendo o livro. E se você ainda não leu, corra até a livraria mais próxima e leve o seu.

Capa, ficha técnica e sinopse:

A seleção

Kiera Cass
ISBN:9788565765015
Editora: Seguinte
Número de páginas: 368
Encadernação: Brochura
Formato: 16 X 23 cm
Ano Edição: 2012

Sinopse

Para trinta e cinco garotas, a “Seleção” é a chance de uma vida. Num futuro em que os Estados Unidos deram lugar ao Estado Americano da China, e mais recentemente a Illéa, um país jovem com uma sociedade dividida em castas, a competição que reúne moças entre dezesseis e vinte anos de todas as partes para decidir quem se casará com o príncipe é a oportunidade de escapar de uma realidade imposta a elas ainda no berço. É a chance de ser alçada de um mundo de possibilidades reduzidas para um mundo de vestidos deslumbrantes e joias valiosas. De morar em um palácio, conquistar o coração do belo príncipe Maxon e um dia ser a rainha.

Para America Singer, no entanto, uma artista da casta Cinco, estar entre as Selecionadas é um pesadelo. Significa deixar para trás Aspen, o rapaz que realmente ama e que está uma casta abaixo dela. Significa abandonar sua família e seu lar para entrar em uma disputa ferrenha por uma coroa que ela não quer. E viver em um palácio sob a ameaça constante de ataques rebeldes.

Então America conhece pessoalmente o príncipe. Bondoso, educado, engraçado e muito, muito charmoso, Maxon não é nada do que se poderia esperar. Eles formam uma aliança, e, aos poucos, America começa a refletir sobre tudo o que tinha planejado para si mesma — e percebe que a vida com que sempre sonhou talvez não seja nada comparada ao futuro que ela nunca tinha ousado imaginar.

 

Boa leitura

Valery