Olá!

Mês de março é o mês da mulher aqui no Livrólogos. Algumas amigas blogueiras toparam participar desse especial e a primeira é a Carla do Doida Y Romantica.

Lição de Ternura

Sandra Canfield

Ela queria a certeza impossível de que não iria perdê-lo. Alexandra ardia ao fogo do desejo. Abraçou-se mais a Patrick, a sensualidade há muito reprimida ganhando vida ao mínimo toque daquele homem. Necessitava, desejava o prazer que ele não podia lhe dar. De repente, a necessidade o des ejo era tão forte e consumidor que a assustou. Perdia o controle.

Sentia a mesma vulnerabilidade de quando soubera de sua doença.

Uma voz interior começou a adverti-la : não tinha o direito de buscar satisfação com Patrick se não podia retribuí-la da mesma maneira…”Não, Patrick”, afastou-o em desespero. “Você é uma covarde, Alexandra, covarde!” Ou corajosa o suficiente para poupar o homem que amava de uma vida cheia de problemas?
 Ok, vamos à resenha. Patrick O’Casey é conhecido como Malandro Irlandês (sim, ele é ruivão), quarto zagueiro de um time de futebol americano dos EUA, lindo, maravilhoso, sarado e saudável.

Ela é Alexandra, uma mulher com uma doença progressiva (artrite sistêmica), que a deixa muito vulnerável.(Imaginem uma mulher que sofre de artrite sistêmica – que atinge o corpo todo – que não pode dançar, pular, correr… E de repente um homem lindo e cheio de amor pra dar aparece na sua vida – ela pira! Entre lágrimas e duvidas…)

O que esperar desse romance? TUDO! É lindo, maravilhoso e se chegar às lágrimas, não se surpreenda. Patrick é daqueles mocinhos TDB, que se interessa por ela sem perceber sua doença e persiste depois que fica sabendo. Claro, ela, arredia, que fugir, mas ele a cerca de carinho e amor por todos os lados… Alexandra reluta, mas aos poucos, vai aceitando seu amor… Gente, a forma como ele conduz tudo, a aceitação da doença dela, os diálogos, a forma dele demonstrar o amor, a primeira vez deles… Esse eu recomendo de olhos fechados… Ah, o final! O final… Bem, prepare o lenço…

Confesso que tinha um certo “preconceito” com relação a mocinha e mocinhos deficientes. Foi através desse livro que comecei a ver com outros olhos romances com essa temática. Hoje simplesmente amo! É uma lição de vida, ainda que fictício. E Alexandra, ainda que atormentada pela deficiência e pela insegurança, dá uma lição de vida ao aceitar o amor de Patrick.

 

Ro, sua linda! Muito obrigada pelo convite. E um feliz dia da Mulé pra nós. Ah, Mulé = Mula+Mulher, porque não ta fácil pra gente não, Beijos!

 

 

Carla-Blog Doida Y Romântica  twitter @Carla_Blackhawk