Essa review foi escrita e reescrita dezenas de vezes. O motivo é simplesmente saber no fundo que não importa o quanto os plots de True Blood prometam eles acabam te decepcionando no final e não imagino que agora irá mudar. Tinha esperança, porque eu tento pensar que não vou perder meu tempo com uma série e que ela sempre vai melhorar, e medo, saída de Alan Ball como showrunner e o caminho trilhado na season finale passada pesaram mais e mais a medida que junho chegou.

A volta da série teve quase todas as características que todos esperam de um episódio, tivemos cenas para chocar e tivemos os plots que sabemos que no fim da temporada só serve mesmo para completar os 60 minutos da série. Começo falando dos plots que não vão caminhar e chegar a lugar nenhum, espero sinceramente estar enganada com a história de eles não chegarem a lugar nenhum mas você já sabe o que esperar de uma série em sua 6ª temporada.

O plot de Sam com a menina lobisomem se cruza, obviamente, com a matilha de Alcide, que teve o ator relembrando que tudo o que ele pode fazer em cena (mais uma vez) é mostrar o corpinho e mostrando sua bunda (motivo que achei que compensou os 50 e tantos minutos perdidos com a premier). O de Andy e os bebês fadas, que já viraram crianças, é tão inútil que não sei nem o que falar, mas rendeu pelo menos risadas pela preocupação do Xerife em ser um péssimo pai.

 

Agora os plots que prometem reger essa season 6, começando com Billith! Bill virou alguma coisa depois de beber o sangue de Lilith na season finale passada e agora tem que lidar com sua nova ‘natureza’, que nem ele mesmo sabe o que é. Vilão? Mocinho? Mártir? Não se sabe, a única coisa que sei é que espero não ter que ver Bill se alimentando outra vez, porque a série já teve até algo no estilo Bacanal, mas alimentação bizarra? Não me lembro! Dentro desse plot ainda temos a coitada da Jess e sua lealdade a seu criador, a cena dela rezando foi uma das mais bonitas da série (realmente não me lembro de me emocionar com True Blood). Mas o melhor de tudo nesse plot foi saber que Billith vê o futuro e vê todos os vampiros conhecidos numa câmara preparados para serem queimados, algo assustador!

Eric por enquanto é o escolhido para lidar com a situação do toque de recolher e da guerra velada entre humanos e vampiros travada pelo o Governador, agora é saber como ele vai usar a compulsão na filha do homem para a causa dos vampiros. Se Billith e a guerra já não fossem o suficiente para lidar ainda temos Pam e Nora se estranhando e Tara eu realmente nunca tenho o que dizer dela, mas pelo menos agora não quero que ela morra (outra vez).

Sookie continua a atrair estranhos e ainda os levando para casa, agora é a vez de mais um meio-fada que ela encontra no caminho do trabalho que tinha sido atacado por vampiros, história esquisita sinto cheiro de algo mais. Quanto ao plot que foi apresentado na temporada anterior com o Warlow atrás da protagonista e trouxe de volta vovô Stackhouse. Jason continua sendo cômico, mas essa história dele de odiar vampiros já me cansou a muito tempo.

Ben

Niall – Vovô Stackhouse

Esses dois episódios da série só serviram, pela primeira vez, para me fazer pensar sinceramente em abandonar a série. O episódio um eu disse no Twitter e repito para mim só valeu pela bunda de Alcide então saibam que teve algo muito errado, o segundo eu não estava gostando até que chegou nos últimos momentos com Jesse rezando e Bill tendo a visão que deu nome ao episódio. Mas vamos continuar que a esperança é a última que morre e realmente espero que seja só os primeiros episódios que me causem essa sensação de “não vai dar em lugar nenhum”.

Fotos: Divulgação HBO, printscreen das telas  e wallpapers