Roberto Cavalli – Just Me! # resenha @BertrandBrasil @EditoraRecord


roberto cavalli just me

Olá!

Confira a resenha do livro autobiográfico de Roberto Cavalli , Just Me!

Eu sempre gostei muito de moda e do que há por trás dos criadores das grandes maisons. Já gostava da Marca Roberto Cavalli, e depois de ler Just Me! passei a ter uma grande admiração pela mente criativa e da pessoa por trás da marca, Roberto Cavalli.

O livro já tem um início impactante. Morando perto de Florença, Roberto muito novo teve seu pai retirado de casa no meio de uma refeição, levado por soldados nazistas, assim como os homens daquela vila, e executado.

Isso mudou tudo no rumo da vida não só da familia de Roberto, mas como ele mesmo diz mais ao fim de sua narrativa, mas a dele. Talvez se nada disso tivesse acontecido, quem sabe se ele seria o que é hoje.

Roberto, sua mãe Marcella e sua irmã Lietta mudaram-se para Florença, para a casa do avô, Giuseppe Rossi que foi um renomado pintor, e de lá assistiram aos horrores dos bombardeios da Segunda Grande Guerra.

Na escola era uma tragédia, inquieto demais e além de tudo, gago, devido a tudo que passara. Depois de muito tentar e até com interseção de seu tio que era professor, foi para um escola onde se especializaria em administração de hotéis. No final, também não deu certo, mas ele se embrenhou na área da música, e também fazia cartazes e promovia bandas e cantores. Houve então uma última tentativa, foi para o Instituto d’Arte e lá passava a maior parte do tempo no laboratório de tecelagem e foi numa experiência em aula de impressão sobre tecido que as coisas mudaram. A parte da escola fora dessa área, ele sempre deixa de lado.

Inovou e criou novas técnicas de estampagem, e foi só crescendo. Com muito empenho começou pequeno e foi lutando.

Casou-se com Silvanella e teve Cristiana e Tommaso. A família dela não o aprovava, mas ele galgou seu espaço e conseguiu começar a fazer fortuna. Seu casamento entrou em declínio.

Foi jurado num Miss Universo e se apaixonou por Eva Düringer, que ficou em segundo lugar. Não muito tempo depois casaram-se e tiveram Rachele, Daniele e Robert. Eva tornou-se sua companheira em tudo, inclusive nos negócios.

Além do amor absoluto pela família, Roberto Cavalli ama profundamente os animais, seus cavalos e fala muito de Lupo, um pastor alemão. Ele até brinca que se tivesse a criatividade para suas criações igual a que usa para dar nomes aos bichos, estava perdido. Ah, ele por alguns meses cuidou de Tigre, um tigre bebê. Detalhe para o nome ha ha ha.

Também conta no livro sobre quando a editora da Vogue Italiana torceu o nariz para suas criações e anos depois teve que dar o braço a torcer. Ela inclusive declarou publicamente isso. Há até a transcrição da entrevista que ela deu anos depois falando sobre o assunto.

Na primeira peça publicitária, Cavalli ficou desapontado, como ousaram fotografar uma modelo esquálida, de nariz longo, só de calça jeans , com longos cabelos negros sobre os seios? Ele que sempre gostou mais das loiras e jeans não era o top de suas criações, era um jeans!!! Mas ele se conformou e começa aí seu reinado.

Galliano não foi muito honesto e Cavalli conta que uma amiga estava com uma peça de sua coleção e Galliano pediu a peça e algum tempo depois a coleção de Galliano foi lançada e adivinha se não tinha as estampas Animalier? Bom, quem era Roberto Cavalli, senão um pequeno estilista ainda, Galiano já era hit (Givanchi, Dior).

Não foi fácil! Fui chamado de coubói, de pescador, de caipira. Eu não parecia chique, como Valentino, não era imperturbável como Dolce & Gabanna, e tampouco minimalista como Armani!

Não importava;não desanimei. Aquela aposta me divertia, eu me conheço: cada desafio me torna incrivelmente mais forte. Minha criatividade e uma moda jovem e diferente deveriam ser a minha espada. Minha técnica – fruto da minha experiência – me abriria à força todas as portas!

O mundo da moda recomeçou a falar de Roberto Cavalli. O prêt-a-porter passou a me copiar.

Roberto Cavalli diz que a mulher deve ficar sexy com a roupa, não só em tons de cinza e preto. Ele se consolidou como “Rei da Moda Animalier”, e hoje veste as maiores celebridades, homens e mulheres, de cantoras a atrizes hollywoodianas. Tem a linha masculina, feminina, e a Just Cavalli, mais jovem, além da linha de perfumes e outros negócios.

Um livro com tom muito verdadeiro, bem escrito, onde conhecemos um pouco da vida de alguém que foi muito determinado apesar dos reveses. Alguém para se admirar e que apesar da fortuna, a família está sempre em primeiro lugar, além dos animais.

“Se você ama, ame profundamente, com o coração, com o estômago e com o cérebro: o amor é uma grande ajuda para fazer ferver a adrenalina! perdões, se conseguir. Eu jamais consegui! Amor, amor, amor. Essa deverá ser sua palavra de ordem, desde quando você nasce até quando você renasce! ( Não digo “morre” porque a morte não existe… Creio numa longa viagem eterna…)”.

Ele finaliza a narrativa com uma carta ao pai e tem um trecho assim:

“(…) para mim e para minha família, sempre foi Giorgio a verdadeira e grande, enorme figura. Giorgio nunca saiu dos meus e dos nossos pensamentos. Giorgio sempre permaneceu como nosso mito.”

Capa muito bonita, mostrando um Roberto Cavalli mais jovem e na quarta capa ( a de trás) um Roberto Cavalli mais recente. Diagramação e papel agradáveis à leitura. E também há algumas fotos e figurinos em encartes no meio do livro. recomendo

 

Capa, ficha técnica, sinopse

Just Me! Roberto Cavalli

Just Me!

Just me

Roberto Cavalli

ISBN: 9788528619621
Editora:Record
Número de páginas: 336
Encadernação: Brochura
Formato: 16 X 23 cm
Tradução: Joana Angélica d’Avila Melo

Sinopse

Autobiografia do renomado estilista italiano.

Crítico e conciliador, impulsivo e ponderado, tímido e irreverente, fiel e passional, severo e doce: esses são apenas alguns aspectos da eclética personalidade do grande estilista Roberto Cavalli, que nesta autobiografia se revela em toda a sua autenticidade. Cavalli se define como “artista da moda” e nos confidencia nestas páginas os aspectos mais íntimos de sua vida, como a tragédia que lhe marcou a infância, o sentimento de culpa pelos fracassos escolares, a insegurança pelos problemas com a fala e os primeiros sucessos profissionais.

Conta também sobre os primeiros e delicadíssimos flertes, as mulheres que amou, as viagens, os amigos que o acompanharam em todos estes anos, sua paixão pelos animais, os filhos, e os muitos altos e baixos da vida, que o levaram a ser hoje um homem realizado. E a Moda que desenhou e que viveu: Milão, Nova York, Paris, Palazzo Pitti; os figurinos para os red carpets; as modelos e a amizade com os grandes astros e estrelas de Hollywood e do mundo da música.
– As roupas de suas linhas de moda são vendidas em mais de 50 países.
– Desenhou figurinos para celebridades como Michael Jackson, Beyoncé, Lenny Kravitz e as Spice Girls.

 

Boa leitura

See ya!

rosana Gutierrez

Compre o livro em

Submarino

Buscapé

Previous Pamela Redmond Satran - Younger @editorarecord #resenha
Next Férias infernais - Cassandra Clare e outras #resenha @galerarecord

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *