Avaliação

Greg narra situações cômicas, tem dificuldade em receber elogios e em lidar com essa situação totalmente diferente de seu cotidiano. Apesar da narrativa em primeira pessoa, é um livro totalmente diferente, é cativante e fala direto ao adolescente. Greg interage com o leitor, é inteligente e engraçado. E mesmo vendo a história e inclusive os outros personagens sob sua ótica, é um livro muito bom, cheio de personalidade.

9
Nota

Olá!

Confira a resenha de Eu, você e a garota que vai morrer do autor Jesse Andrews. Esse é aquele livro que te surpreende. Recebi a prova do livro e li muito rápido. Adorei.

O livro foi adaptado para as telonas pelo próprio Andrews em um longa-metragem com direção de Alfonso Gomez-Rejon eacaba de ganhar os dois principais prêmios em Sundance, o mais importante festival dedicado ao cinema independente.

Sim, o próprio título já nos previne que uma garota vai morrer, mas ao contrário de A culpa é das estrelas, não há um amor que supera as coisas, ou tristeza, é um livro engraçado e bem diferente.

A narrativa é em primeira pessoa e Greg Gaines fala diretamente com o leitor. Ele “zoa”o livro o tempo todo, tira sarro de si mesmo e mantém um papo com o leitor o tempo todo.

Ele estuda no colégio Benson, agora é veterano e tenta passar o tempo socialmente invisível. Cumprimenta pessoas de diferentes grupos, mas faz de tudo para não ser rotulado em nenhum.

“É uma verdade universalmente reconhecida que o colégio é uma droga. Pra falar a verdade, o colégio é o local onde nós somos apresentados, pela primeira vez, à pergunta existencial básica na vida: como é possível existir num lugar tão bosta?

Seu único amigo, de fato, é Earl Jackson, um baixinho marrento que vive num lugar horrível, com vários irmãos e uma mãe alheia ao mundo. Juntos eles fazem filmes que são releituras toscas de filmes  estrangeiros – europeus antigos.  Tudo começou por causa do ator Klaus Kinski na foto da capa do filme Aguirre, a cólera dos deuses, que eles encontraram na coleção de DVD’s do pai de Greg.

Não mostram para ninguém, nem para os pais de Greg e isso é um ponto que eles não negociam.

Tudo muda na rotina de Greg quando sua mãe ( que tem o poder de convencer qualquer um e também fala numa torrente de palavras impossível de ser cortada) conta que Rachel, uma garota que costumava ser sua amiga e fazia aulas na sinagoga com ela também, está com leucemia e ele deve voltar a ser seu amigo e ajudá-la a se sentir melhor. Claro que isso não será tão simples.

“Pois é, na verdade este livro provavelmente está fazendo minha vida parecer mais interessante e importante do que é. Livros sempre tentam fazer isso. Se vocês tivessem as manchetes de todos os dias da minha vida, teria, uma sensação melhor de como ela é arbitrária.

“24 de outubro de 2011”

“Pouquíssima coisa acontece”

“Mais uma vez, a barriga de gelatina causa ataque de gato”

“Aluno tem série de conversas vazias que não vale citar”

Greg narra situações cômicas, tem dificuldade em receber elogios e em lidar com essa situação totalmente diferente de seu cotidiano.

Apesar da narrativa em primeira pessoa, é um livro totalmente diferente, é cativante e fala direto ao adolescente. Greg interage com o leitor, é inteligente e engraçado. E mesmo vendo a história e inclusive os outros personagens sob sua ótica, é um livro muito bom, cheio de personalidade.

O pai de Greg é estranho, Earl também, o que rende vários comentários interessantes, sem contar o próprio Greg, e as várias situações mostradas e como ele e Earl lidam com elas.

Um livro imperdível.

A não ser que “você tenha um fungo comendo seu cérebro.”

Li a prova do livro, se a diagramação for mantida, ela é bem adequada e agradável à leitura.

Capa, ficha técnica, sinopse

eu vc

Eu, você e a garota que vai morrer

Me, Earl and the dying girl

Jesse Andrews

ISBN: 9788568432181
Editora: Fabrica 231 – Rocco
Número de páginas: 288
Encadernação: Brochura
Formato: 14 X 21 cm
Ano Edição: 2015
Tradução: Ana Resende

Também disponível em eBook

Sinopse

Greg Gaines é socialmente invisível, Earl Jackson vem de um lar desajustado e Rachel Kushner tem câncer, mas Eu, você e a garota que vai morrer está longe de ser mais um dramalhão lacrimoso. Subvertendo clichês, o autor Jesse Andrews oferece um romance de formação que, com um estilo pop e original, consegue juntar irreverência e sensibilidade ao tratar dessa coisa maluca chamada morte.

Manter-se alheio a grupos e tribos é a estratégia de sobrevivência adotada por Greg em meio à caótica fauna adolescente – e são poucos os gordinhos que, como ele, conseguem chegar incólumes ao último ano da escola. Sua única companhia razoavelmente constante durante esse tempo tem sido Earl, o baixote de boca suja ao lado de quem descobriu um tesouro dentro de casa: a coleção de DVDs do pai. Desde que se depararam com a expressão insana do ator Klaus Kinski na foto da capa de Aguirre, a cólera dos deuses, os dois vêm assistindo a centenas de filmes e produzindo juntos suas próprias versões dos preferidos (muitas vezes estreladas por Cat Stevens, o gato da família).

Quando Rachel, uma colega de classe, é diagnosticada com leucemia, Greg se vê obrigado a repensar os conceitos de sua calculadamente minimalista vida social. Porque sua mãe, cuja especialidade é vencer qualquer duelo verbal, acha que ele deve se aproximar da menina para tentar fazê-la se sentir melhor durante o tratamento. Assim, após constrangedores momentos de silêncio e piadinhas nervosas de gosto duvidoso, o rapaz descobre que os vídeos toscos realizados em parceria com Earl, aqueles que eles haviam jurado jamais mostrar a alguém, são a maneira mais eficaz de levar um pouco de alegria ao dia a dia de Rachel.

O que surge a partir daí, no entanto, não é uma história de amor e superação capaz de desafiar as forças da natureza – pelo contrário: Eu, você e a garota que vai morrer aborda questões como perda e amadurecimento por meio de uma narrativa realista, sincera e engraçada. Como uma espécie de O apanhador no campo de centeio da geração Z, o romance mergulha fundo na alma dos jovens para criar uma voz que tem o poder de cativar leitores de todas as idades.

E também fica a #dica do filme!

Eu, você e a garota que vai morrer

Misturando animação e live-action, o longa,dirigido por Alfonso Gómez Rejón, conquistou crítica, público e júri do Sundance ao fugir de fórmulas clichês na apresentação da história de um jovem nerd socialmente invisível, Greg, que sai do casulo, ao se aproximar de uma colega de turma que sofre de leucemia, por incentivo da mãe. O romance original, lançado nos Estados Unidos em 2012, rendeu a Jesse Andrews comparações a autores bestsellers como John Green, mas, afirma a Kirkus Review, se destaca por si só em termos de inventividade e humor.

Trailer do filme

Boa leitura

See ya!

Rosana Gutierrez