BASTIDORES LITERÁRIOS – Preparando Uma Boa História


montagem
Por Gianpaolo Celli, consultor do ALITERAÇÃO SERVIÇOS EDITORIAIS

Semana passada, comentei a respeito de um velho post meu do Facebook que dizia: “Tenha uma ideia original, crie uma trama interessante e escreva uma boa história, e você venderá um livro; faça isso e crie um personagem carismático e você venderá quantos livros escrever sobre ele”. E como prometi falar mais tarde sobre ‘uma ideia original’, ‘uma trama interessante’ e ‘uma boa história’, o tema de hoje são estes três tópicos.

Hoje em dia é complicado falar sobre ‘UMA IDEIA ORIGINAL’. Especialmente, pois como estudioso de Campbell eu concordo que todas as histórias são variações das três estruturas mitológicas originais: a famosa Jornada do Herói, o Rapto da Donzela, e o Trickster (algo como o brincalhão, mas que também agrega, dependendo da história a figura do Anti-herói). Mesmo assim, FALA SÉRIO! É possível sim ser original. Como? Por exemplo, escrevendo a história com um ponto de vista ainda não apresentado. Uma questão que você pode se fazer em relação ao tema ao criar a história é: “o que minha história tem de novo para contar”?

Um exemplo disso é a série As Brumas de Avalon. Lançada em 1979 por Marion Zimmer Bradley, a história é uma releitura do ciclo arturiano, apresentado, nesta versão, pelas personagens femininas. Essa simples mudança garantiu, apesar da lenda já ser conhecida e haver sido recontada inúmeras vezes, não somente uma história ‘inédita’ como também um sucesso editorial.

Mas e ‘UMA TRAMA INTERESSANTE’? O que seria isso, você pode perguntar. Afinal, evidentemente qualquer trama é interessante para quem a escreve. Mas o ponto não é esse. As questões que você deveria estar se fazendo são: “para quem eu estou escrevendo?”, e “por que esse público leria meu livro?”. Quer um exemplo? O livro O Código da Vinci, de Dan Brown. Creio que não preciso comentar a respeito, pois quem não leu o livro deve ter assistido ao filme. E se não, ao menos ouviu falar de um dos pontos-chave da trama, pois até a Igreja Católica falou a respeito. A ideia não é totalmente nova, mas dizer que Maria Magdalena era, na verdade, esposa de Jesus, que teve filhos com ele, e que ela e os filhos sobreviveram à crucificação, fugiram e que a linha sucessória ainda existe, portanto uma família que descende de Jesus (e que a protagonista feminina era desta família)? FALA SÉRIO! Não importa nem o peso deste fato em relação a todo o resto da história. Esse foi um dos pontos que chamou a atenção da mídia, do público e que fez do livro, e do autor, os sucessos que eles são hoje.

Antes que falar do último ponto, ‘UMA BOA HISTÓRIA’, eu gostaria de discutir um pouco mais a respeito dos tópicos anteriores. É evidente que ao fazer os questionamentos em relação a sua história as respostas não precisam ser tão radicais quanto às dos exemplos. FALA SÉRIO! Meu objetivo com eles é mostrar de modo incontestável e radical como funcionam as questões. Mesmo assim é importante buscar, durante a criação, elementos que se encaixem tanto nas duas questões acima, como na ‘UMA BOA HISTÓRIA’.

E o que é ‘UMA BOA HISTÓRIA’? A lista pode ser enorme e variará dependendo de qual autor você questionar. De qualquer maneira, independente do tamanho, existem coisas que definitivamente farão parte da essência de uma boa história:

  • Primeiro, crie uma situação inicial que prometa ao leitor uma boa história;
  • Faça-o se importar com o que está acontecendo na trama;
  • Não entregue as informações de bandeja, apresente os elementos e deixe o leitor chegar à conclusão por conta própria;
  • Finalmente, e mais importante crie as cenas e sequências de modo que o leitor esteja sempre querendo saber o que acontecerá a seguir.
  • Sei que não é exatamente uma ciência exata, mas FALA SÉRIO! Se existisse uma fórmula mágica para se criar o best-seller perfeito, todos os livros seriam bons para todas as pessoas, e isso é impossível.

Um último ponto, que também creio ser essencial, é que você, autor, deve conhecer sobre o que escreve e gostar do tema. Afinal de contas, imagine se você começa a escrever sobre um assunto que não gosta só porque virou moda? FALA SÉRIO! Deve ser a pior coisa do mundo ter de se manter escrevendo a respeito de algo que não te agrade!

Previous Miltes Carvalho Bonna - Meimei, o Amor Perfeito @petiteditora #news
Next Lançamentos agosto 2015 @Novo_Seculo

1 Comment

  1. 14/11/2015

    Dicas simples e faladas de forma bem clara!

Deixe um comentário! Quero saber o que achou do texto ;)