Por Gianpaolo Celli, consultor do ALITERAÇÃO SERVIÇOS EDITORIAIS

Esta semana nossa parceira do Livrólogos, Rosana Gutierrez, comentou que, devido à sua ligação com as editoras, muitos escritores iniciantes a estavam procurando para que fizesse o agenciamento literário deles. Como já temos certo know-how no assunto, nos disponibilizamos a ajudá-la. A resposta dela foi algo que define tanto os escritores iniciantes que resolvi colocá-lo aqui. Até porque FALA SÉRIO!, concordo em gênero, número e grau.

Ela comentou que não só grande parte do material está longe de estar pronto para publicação, como também que os escritores tendem a levar para o lado pessoal qualquer crítica e/ou alteração sugerida no texto, normalmente considerado por eles como algo sagrado. Quanto ao primeiro item, é algo que já comentei inúmeras vezes. Segundo comentários das editoras, 95% do material que chega para elas não é bom o bastante para ser publicado. E isso se dá porque as pessoas acham que escrever e escrever profissionalmente são a mesma coisa. Mas não é.

Como eu mesmo já coloquei, achar que simplesmente por ser alfabetizada uma pessoa é capaz de escrever profissionalmente é como dizer que qualquer pessoa habilitada é capaz de pilotar um carro de Formula 1.

E olha que não vou nem comentar, como já ouvi, sobre escritores que, apesar de quererem publicar, não leem. FALA SÉRIO! Isso é o mesmo que vender um produto no qual você não acredita. Ler é a primeira coisa que um escritor deve fazer. Sempre! E mais do que isso: ler criticamente, buscando em cada livro como a trama foi desenvolvida; como cada personagem se desenvolve durante a história; e como cada capítulo, cena ou sequencia de cena começa e termina… E olha que isso é o mínimo!

 

Veja bem, acho que é muito bom que, como já ouvi, ao invés de acreditar que podem fazer tudo, os escritores agora estão procurando profissionais para representá-los no mercado, ajudando-os não só a vender seus projetos, mas a melhorar seus trabalhos. É um sinal de que o mercado está amadurecendo.

O problema é que assim como o editor assina pelo livro que publica, o agente literário também o faz pelo livro que representa. Então, se um escritor o procura para ajudá-lo a vender seu projeto, também deve estar pronto para confiar em seu julgamento profissional quando ele faz críticas ou pede mudanças no texto. Porque FALA SÉRIO! Uma coisa não acontecerá sem a outra.

Finalmente, não ache que o texto que você acabou de escrever está perfeito. Ele não só raramente está (FALA SÉRIO! Mesmo autores best-sellers fazem com que seus originais passem pelas leituras críticas de seus agentes literários antes que sejam enviados às editora), como também isso é um sinal que na verdade você tem mais ego do que talento ou capacidade de escrita.

E acredite, toda a “raiva” destilada contra quem tenta “lixar as arestas” do texto depois se tornará “frustração”, para não dizer “lamentações eternas”, quando só receber negativas das editoras. E acredite, num mercado que está se profissionalizando, quem não se profissionalizar definitivamente ficará para trás!