Por Gianpaolo Celli, consultor do ALITERAÇÃO SERVIÇOS EDITORIAIS

28

Esse é o centésimo artigo do ALITERAÇÃO! FALA SÉRIO! Foram quase dois anos postando a respeito dos mais diversos aspectos do mercado literário/editorial, desde o escrever até o que fazer após publicar porque, ao contrário do que muitos pensam, publicar não é o final do trabalho do escritor. Ou pelo não é se ele quer se tornar uma profissional da escrita.

Exatamente por essa razão eu vou falar hoje um pouco a respeito do escrever e do publicar. E um pouco porque se fosse falar muito (porque FALA SÉRIO! Escrever tudo é impossível) eu precisaria não um, mas de alguns livros. E estou falando isso exatamente porque recentemente comentaram comigo a respeito de um livro com dicas para escrever em best-seller. Como se isso fosse fácil!

Inclusive, já no inicio tem uma citação que diz que 80% das pessoas têm um livro pronto para ser publicado que me deixou com duas duvidas. A primeira: as editoras fizeram uma analise dos originais que chegavam para elas e concluíram que 95% delas não estavam prontas para publicação. Ou seja…

E finalmente: se considerarmos a colocação é real, que os originais estejam efetivamente prontos, para que as pessoas precisariam do texto?

Na verdade esse arremedo de texto de autoajuda para escritores (e FALA SÉRIO! Vivo dizendo que se livro de autoajuda desse certo só existiria um) me lembrou de um livro que, apesar de prometer ser um guia para se escrever um livro em um mês, em nenhuma parte o texto havia uma parte onde se dizia que você tinha que escrever.

Deste modo eu tenho que dizer: Cuidado! Muita gente (ou livro) promete o sonho da publicação e pouca gente (ou livro) efetivamente cumpre o que prometeu.

E isso acontece porque existe a necessidade do escritor querer se tornar profissional, do escritor querer desenvolver seu estilo!

Eu mesmo já ministrei uma oficina e, apesar de desenvolver as vezes até mais de um exercício por aula sobre desde o desenvolvimento da ideia, do universo onde a história passará, dos personagens, da trama, da estrutura, até a criação de cenas e diálogos, tenho que dizer que muita gente ouviu, guardou os exercícios e se fez, não comentou a respeito na aula. E FALA SÉRIO! Escrever profissionalmente é como matemática, não interessa se você sabe a formula, se não praticar não vai aprender como fazer.

FALA SÉRIO! Dicas existem muitas e muitas delas nem estão completas. Por exemplo, eu posso falar (e vivo falando): Leia! Leia Muito!

Sei que apesar de óbvio, muita gente diz que ler não é necessário, que ideias podem sair de qualquer lugar. É verdade! Mas séries, filmes e quadrinhos não irão mostrar a você como colocar no papel a descrição de um ambiente, de uma cena, de um personagem…

Pessoalmente eu creio que querer se tornar escritor se você não gosta de ler é querer vender um produto no qual você não acredita, mas não é essa a questão. Só ler não basta para fazer de alguém um escritor. Você precisa ler de maneira consciente. Percebendo como o autor apresentou a ideia, como ele apresente os personagens, as cenas, como estrutura a história, os pontos que você gostou mais, os que você gostou menos e por que. Porque só assim você efetivamente estará aprendendo a escrever ao ler.

E FALA SÉRIO! Sobre o copiar, você irá sim copiar, mesmo que um ou outro aspecto de diversos autores que você gosta. Ao menos no início até desenvolver seu próprio estilo, até que se torne um escritor profissional. Na realidade quando isso acontecer você haverá agregado ao seu próprio estilo algo dos diversos livros, dos diversos autores que você leu, criando algo único.

O problema é que antes disso terá de aprender a escrever, pois estamos só no começo!