Por Gianpaolo Celli, consultor do ALITERAÇÃO SERVIÇOS EDITORIAIS

 

Há algum tempo atrás comentei aqui a respeito da queda do mercado de e-books, aqui no Brasil e lá fora, falando que, ao contrário do que muitos pensam (que o e-book tomará o lugar do livro físico), o que está acontecendo é que se criará um mercado paralelo, como aconteceu com a TV para o rádio e os dois para o jornal impresso, que atualmente ainda convivem, apesar de haverem predito que o rádio acabaria com o jornal impresso e que a TV acabaria com o rádio.

Na mesma época no entanto, foi publicado um artigo no Publishnews comentando que uma grande rede varejista de livros havia retificado o número de vendagem de e-books que havia sido publicado num jornal, e que a mesma havia faturado R$ 1 milhão em e-books só no último mês.

Mas onde eu quero chegar com isso? E o que isso tem a ver com o escritor se tornar conhecido? Você pode perguntar.

Se você tem acompanhado as tendências de mercado descobrirá que, assim como há dez anos, quando com o surgimento de impressoras que facilitavam a publicação em pequenas tiragens com baixo custo era interessante para o escritor que queria se tornar profissional participar de coletâneas de contos, atualmente, com o crescimento do mercado de e-books e o surgimento de plataformas e redes sociais de leitura, como Wattpad, é colocando suas obras online que autores têm conseguido não só currículo, mas também público leitor. E FALA SÉRIO! Atualmente é muito mais fácil de conseguir leitores do que antes, pois histórias online não tem tiragem.

Isso sem falar que a tendência está se tornando tão forte, que grandes editoras têm desenvolvido selos especializados neste seguimento, cujo objetivo é achar sucessos publicados em redes como o Wattpad. Existe inclusive um caso de um autor que, publicando em inglês no Wattpad conseguiu mais e três mil leitores, chamando assim a atenção de uma grande editora que o publicou. O Aprendiz, de Taran Matharu, que é filho de uma brasileira, já foi inclusive publicado aqui, pela Galera.

O problema na verdade se mantém. Como eu já vi inúmeras críticas, é que como acontecia com as edições por demanda, em que as editoras não se importavam com o conteúdo publicado, afinal, o livro já estava pago, as autoedições de e-books normalmente têm uma qualidade extremamente baixa, apresentando problemas que vão desde descaso com o português, passando por tramas ingênuas, personagens mal desenvolvidos, assim como histórias ruins cheias de pontas soltas.

Como resolver isso?

FALA SÉRIO! É como comentei há muito tempo quando se questionava a respeito de como ficariam as editoras com o crescimento dos e-books. Na época eu disse, e continuo repetindo, o problema é das livrarias, pois as editoras continuarão existindo, se tornando como marcas, as quais indicaram a qualidade do produto.
É esta exatamente a resposta.

Ao participar de uma coleção de e-contos, ou e-books, assinada por uma editora, como aconteceu com a coleção CRIMINAL e a STEAMPUNK TALES COLLECTION (agora com a PODERES FANTÁSTICOS e DISTOPIA), todas organizadas pela Aliteração para a editora Dragonfly, as histórias passarão, como deve, ou deveria acontecer com todo livro publicado, pelas mãos de profissionais com experiência no mercado editorial, cujo objetivo é ajudar o escritor em dar forma a sua obra de modo a adequá-la ao mercado.

Na realidade, mesmo quando se publica algo por conta própria, seja na Amazon, seja no Wattpad ou outras plataformas de publicação e leitura online, o autor deveria antes buscar serviços literários como a Leitura Crítica, a Preparação de Texto e a Revisão, antes de considerar seu texto pronto.

Afinal, FALA SÉRIO! A única maneira de conseguir uma chance de publicação real é se destacar pelo profissionalismo, e você só conseguirá isso se usar as mesmas ferramentas que os escritores profissionais já a muito tempo usam.