Por Valery Ortega e Rosana Gutierrez

Olá!

Quem acompanha as aventuras do professor Robert Langdon, rapidamente vai reparar na diferença desse livro. Ele começa de forma completamente diferente dos outros, pois o professor acorda em um hospital em Florença, na Itália, sem saber como foi parar lá.

Ferido e sem memória, o professor está desorientado, sem saber como foi parar lá. Sequer lembra de ter viajado para a Itália. Para completar a desorientação, tentam matá-lo novamente, dentro hospital, e ele conta com a ajuda da média Sienna Brooks, que o está assistindo, desde sua entrada no hospital, para fugir.

Robert Langdon passa a ter visões , que podem ser lembranças. Ele sabe que deverá descobrir o que estava procurando antes de tentarem matá-lo e também porque é um alvo. Deverá decifrar as pistas e mais uma vez impedir que algo muito ruim aconteça.

“Segunda-feira. Langdon forçou seu cérebro dolorido a retornar às últimas imagens de que conseguia se lembrar – fazia frio e estava escuro, ele andava sozinho pelo campus de Harvard no sábado à noite rumo a um congresso. Isso foi há dois dias? Um pânico ainda maior o dominou ao tentar se lembrar de qualquer coisa que tivesse acontecido durante o congresso ou depois dele. Nada. Os bipes do monitor cardíaco se aceleraram.” Pág. 21

 

Dan Brown não perdeu tempo e aproveitou esse ressurgimento do interesse pela obra de Dante Alighieri, que tem sido referenciada em inúmeras obras atuais, de autores de vários gêneros, e assim, quem leu a Divina Comédia, vai se sentir em casa ao ler este livro.

Robert Langdon nos dá uma aula de história maravilhosa em cima do tema.  O livro também nos leva em uma viagem maravilhosa, pelas cidades italianas.

“- Sete pês – disse Sienna. – O que vamos fazer com isso?

Langdon abriu um sorriso tranquilo e ergueu os olhos para encará-la.

– Sugiro que façamos exatamente o que a mensagem nos diz para fazer.

Sienna o fitou, confusa.

– Esses sete pês são… uma mensagem?

– Isso mesmo – respondeu ele sem parar de sorrir. – e, para quem estudou Dante, ela não poderia ser mais clara. “Pág. 235

Dan Brown se destaca entre os escritores, por sua forma de escrever e descrever e neste livro ele não se volta para temas religiosos, e sim tecnológicos. Quem gostou de Fortaleza Digital vai perceber isso.

Outro ponto para esta leitura é que você vai desejar ver as imagens citadas no livro,  então prepare-se para usar o google durante a leitura 🙂

 

“- Essas dez letras – sussurrou. – Na verdade, elas indicam um local específico na cidade velha. É lá que estão as respostas.

– Onde na cidade velha?! – perguntou Sienna. – O que você descobriu? ” Pág 93

Recomendadíssimo para todos que gostam de mistério, recheado de ação. Uma leitura que prende do início ao fim.

Leia um trecho – aqui

Capa, ficha técnica, sinopse

Inferno

Inferno

Dan Brown
ISBN: 9788580411522
Editora: Arqueiro
Número de páginas: 442
Encadernação: Brochura
Formato: 16 X 23 cm
Ano Edição: 2013

Também em eBook

Sinopse

No coração da Itália, Robert Langdon, o professor de Simbologia de Harvard, é arrastado para um mundo angustiante centrado em uma das obra literárias mais duradouras e misteriosas da história: O Inferno, de Dante Alighieri.

Numa corrida contra o tempo, Langdon luta contra um adversário assustador e enfrenta um enigma engenhoso que o arrasta para uma clássica paisagem de arte, passagens secretas e ciência futurística. Tendo como pano de fundo o sombrio poema de Dante, Langdon mergulha numa caçada frenética para encontrar respostas e decidir em quem confiar, antes que o mundo que conhecemos seja destruído.

Dan Brown é um dos autores de livros de suspense mais popular da atualidade. Seus livros O símbolo perdido, O código Da Vinci, Anjos e demônios, Fortaleza digital e Ponto de impacto já venderam 160 milhões de exemplares no mundo.

Dan é casado com a pintora e historiadora da arte Blythe, que colabora nas pesquisas de seus livros. Ele mora na Nova Inglaterra, nos Estados Unidos.

Boa leitura

See ya!

Rosana Gutierrez e Valery Ortega