Já contei em outras oportunidades que gosto dos livros de Sidney Sheldon. Li vários graças aos empréstimos da Biblioteca Municipal.
Agora vamos à ironia: sim, em algum momento desta minha longa trajetória de leitora compulsiva, eu li Se houver amanhã. O problema é que ele está no arquivo mental: “não me lembro de 99% do livro”.
E o 1% restante teve que ser um ponto de partida suficiente para este revival.

Confira a resenha do livro Em busca de um novo amanhã

Personagens: Tracy Whitney e Jeff Stevens

Em busca de uma confortável vida de “aposentados”, Tracy e Jeff se casaram e iniciaram uma nova fase do relacionamento. No entanto, as coisas não saíram conforme o idealizado, ela começa a se sentir frustrada e a saudade da adrenalina dos golpes e roubos pesa nisso. E uma desilusão faz com que ela simplesmente desapareça, como se nunca houvesse existido. Muitos anos depois, o desejo de uma revanche faz com que ela seja redescoberta. E Tracy, mesmo sem querer, se torna peça fundamental em um jogo de vida, morte, loucura e vingança que poderia sacrificar mais pessoas.

Comentários:

– O tal 1% que eu lembrava: Tracy e Jeff eram rivais nos golpes e roubos, se apaixonavam, conseguiam enganar quem estava na cola deles e fugiam para serem “felizes para sempre”. Não me lembro de detalhes da trama (algo que volta e meia consigo com livros que li na era antes-LdM). Recordo que alguém me disse que era o melhor livro do Sidney Sheldon – com que não concordei porque meu favorito é outro (aliás, ainda preciso escrever sobre ele). Ainda não tinha lido nenhum dos trabalhos da Tilly Bagshawe retomando as histórias originais do autor. Foi assim que comecei a leitura.

– Sim, o livro mantém a dinâmica habitual das tramas do autor: uma mulher que fortalece a personalidade passando, sobrevivendo por várias provações, para poder triunfar. Em alguns casos, o triunfo é temporário e ela termina desprovida de tudo que queria de forma definitiva ou com alguma chance de se reconstruir. Pelo caminho, encontra aliados, inimigos, aliados que se transformam em inimigos, pode ser vítima de traições e provavelmente compra briga – direta ou indiretamente – com alguém osso duro de roer. Terá amor – correndo risco de não ser suficiente. E será intimada a se sacrificar para proteger quem ama. Sidney Sheldon trabalhou por muito tempo como roteirista, então tinha a técnica de escrever algo ágil e visual, encadeando tramas, atirando pistas nem sempre verdadeiras para os leitores, até a conclusão.

– Tilly bebeu muito bem nas águas dele. Até mesmo com citações de personalidades, atores, atrizes, cantores, celebridades – muitas mordazes e longe de serem elogiosas. Dividido em quatro partes, acompanhamos o início, o meio e o fim do sonho de Tracy e de Jeff de serem pessoas “normais” e felizes pra sempre e todas as consequências disso. Mais à frente, a trama se revela extremamente mais complexa do que parecia e coloca a heroína em risco de ver a vida que reconstruiu de forma secreta ser revelada e destruída. Tracy é uma personagem marcada por características acima da média: ela é inteligente, bonita, perspicaz, observadora e sabe se camuflar como ninguém (embora houve um momento que me fez pensar que ela foi extremamente descuidada, porque abriu uma porta que se tornou um problema para ela mesma). Acostumada a ser uma ladra/vigarista de caráter (ela roubava um tipo muito específico de vítimas), nunca perdeu a capacidade de analisar os locais encontrando brechas e possibilidades.

– Por isso foi chocante para ela saber que era suspeita de relação com uma série de assassinatos. Para provar a inocência, foi coagida a ajudar na investigação. A partir disso, as complicações se revelam mortais. Neste ponto, saber o 1% fez falta porque algumas informações do Se houver amanhã ajudariam em uma compreensão mais ampla de personalidades e motivações envolvidos no desfecho desta trama. No fim das contas, temos uma trama sobre amor, sobre perda, sobre decepções, sobre reconstrução constante de si mesmo, sobre inteligência, sobre rancor, sobre disputa, sobre esperteza, sobre vaidade, sobre obcessão, sobre escolhas, sobre encontros, desencontros e reencontros. Sobre vida e morte. Não quis pensar se era tão bom quanto ou melhor que o original. É uma homenagem, Tilly Bagshawe atingiu o alvo em cheio. Me deu vontade de buscar os livros de Sidney Sheldon porque me fez lembrar porque gostava tanto deles.

Série Tracy Whitney
1 – If Tomorrow Comes – Se houver amanhã
2 – Sidney Sheldon’s Chasing Tomorrow – Em busca de um novo amanhã
3 – Sidney Sheldon’s Reckless

 

Capa, ficha técnica, sinopse

em busca de um novo amanha

Em busca de um novo amanhã

Chasing Tomorrow – 2014

Sidney Sheldon e Tilly Bagshawe

ISBN: 9788501104533
Editora: Record
Número de páginas:  480
Encadernação: Brochura
Formato: 14 X 21 cm
Ano Edição: 2015

Sinopse

Tracy Whitney está de volta em uma trama repleta de paixão, suspense e reviravoltas de tirar o fôlego

Ao lado de Jeff Stevens, Tracy Whitney foi responsável por alguns dos maiores assaltos do mundo. Movida pela adrenalina que o perigo proporciona, ela sempre esteve à vontade com a vida de criminosa. Mas, quando ela e Jeff se casam, eles fazem um trato: deixar o passado de crimes para trás e formar uma família. Decidida a abandonar o crime e levar uma vida digna, Tracy se esforça para adaptar-se à nova rotina. Mas ela sente que falta algo para que seja realmente feliz: um bebê. Porém, à medida que os meses passam e a tão desejada gravidez não acontece, ela se sente cada vez mais infeliz. Quando uma misteriosa e envolvente mulher surge na vida do casal, a até então indestrutível parceria deles é abalada. Um belo dia, Jeff acorda e descobre que Tracy desapareceu. Por mais de dez anos, ele faz o possível para descobrir o paradeiro da amada mas, como o restante do mundo, acredita que ela esteja morta… até que uma série de assassinatos leva um audacioso detetive francês a acreditar que a vigarista está envolvida nos crimes. Tracy Whitney está mais uma vez no centro de uma misteriosa trama. A diferença é que, agora, ela tem tudo a perder, inclusive o homem que não consegue esquecer.

Bacci!!!