Por Gianpaolo Celli, consultor do ALITERAÇÃO SERVIÇOS LITERÁRIOS

0000

Normalmente quando se ouve alguém falar, ou mesmo quando se pensa a respeito do processo de escrita, a palavra que nos vem à mente é ‘solidão’. Mesmo nestes tempos de redes sociais o ofício da escrita é tido como um para os chamados “lobos solitários”. FALA SÉRIO! Muitos escritores profissionais comentam que, para passarem as ideias “para o papel”, se trancam em algum cômodo por um período que pode ir de duas à até doze horas por dia.

Na realidade, como é muito raro o autor viver de sua escrita, o processo é complicado, mesmo, ou especialmente para, os iniciantes, pois a maioria de seus amigos e família considera que ele poderia estar fazendo algo ‘útil’. FALA SÉRIO! Não é à toa que uma de minhas primeiras postagens a respeito em janeiro de 2012, muito antes de criar o Aliteração, foi de que:

“É engraçado – sua família pode adorar leitura, mesmo assim, quando vai escrever, as vezes tem de ouvir: ‘já está de novo na frente deste computador!’– Eu não entendo, será que as pessoas acham que os livros se escrevem sozinhos?” 

E podem acreditar que eu escrevi isso porque senti na pele a situação.

Agora, o que poucos sabem é que quando falamos do mercado internacional, apesar do processo de escrever continuar, sim, algo solitário, o conjunto do trabalho está longe de o ser. Leitores críticos, agentes literários, associações de escritores… FALA SÉRIO! E isso é só o começo, pois em países em que existem cursos universitários e de pós-graduação em escrita profissional, de modo que quem está começando consegue muita ajuda.

Por que estou comentando a respeito?

Porque há algum tempo atrás participei de uma reunião de leitores e escritores e uma das ideias que surgiram e que achei não só bastante interessante, como também falta aqui no Brasil, é criar uma instituição que não somente represente os escritores, mas que ajude quem está começando e que principalmente una a classe dos escritores. Afinal de contas, o fato de um ou outro publicar antes, ou conseguir “mais tempo sob os refletores” não faz dele ou dela um concorrente, mas um aliado na prova de que o escritor brasileiro pode ter a mesma qualidade e FALA SÉRIO!, ser tão comercial quanto são os internacionais.

E também porque, como já coloquei em textos anteriores, já cansei de ver regras de criação literária muitas vezes desatualizadas, para não dizer falsas e inventadas, repetidas a exaustão por gente que prefere colocar a palavra “escritor” antes do nome do que efetivamente se tornar um profissional de escrita.

Assim, se seu sonho é escrever profissionalmente, deixe o ego para trás e comece a escrever, busque se profissionalizar lendo livros sobre o assunto, procurando cursos, buscando profissionais da área que publiquem a respeito na internet.

Porque venhamos e convenhamos: caso seu sonho seja simplesmente alimentar seu ego, atualmente existem maneiras muito mais simples de fazer isso do que gastar horas escrevendo e reescrevendo uma história para depois ter de ir atrás de editoras, etc., etc., etc. Quer uma ideia? FALA SÉRIO! Compre uma câmera e crie um vlog para falar o que diabos você acha relevante. É garantido que você conseguirá fãs muito mais rapidamente do escrevendo…