Ciao!!!

Confira a resenha do livro A rebelde do deserto, da autora Alwyn Hamilton publicado pela editora Seguinte.

Sabe a curiosidade? Este título me deixou curiosa.

Aí fui ler a sinopse: “O destino do deserto está nas mãos de Amani Al’Hiza – uma garota feita de fogo e pólvora, com o dedo sempre no gatilho” e, definitivamente, soube que tinha que ler!

Por isso, ele está aqui

Personagem: Amani Al’Hiza, o forasteiro misterioso

Amani era pobre, órfã e mulher. Ou seja sem nenhum potencial de ter uma vida feliz na Vila da Poeira, uma cidade isolada no deserto de Miraji. Para escapar de um casamento forçado, já que os homens eram os senhores na vida das mulheres, só restava a opção de fugir. Ela só não esperava que deixaria a cidade como uma foragida ao lado de um forasteiro galopando em um cavalo mágico. E foi apenas o início de uma aventura que poderia levá-la não aonde ela queria, mas ao real destino da garota feita de fogo e pólvora, com o dedo sempre no gatilho.

Comentários:

– Sim, deu pra notar que eu amei a descrição da protagonista, né? Era uma promessa de que tinha muita chance de gostar de Amani e torcer por ela. E realmente, é bem possível se identificar com a adolescente de quase 17 anos que teve que sobreviver à execução da mãe depois de matar o padrasto violento, viver de favor na casa do tio e se tornar alvo da atenção dele como uma futura esposa. O primeiro plano deu muito errado, mas permitiu que ela encontrasse, sob a identidade de “Bandido de Olhos Azuis” um forasteiro no mais improvável dos lugares para uma mulher – durante uma disputa de tiro ao alvo.

– No dia seguinte, o forasteiro a reencontra na loja da família enquanto era perseguido pela guarda do sultão e ela o abriga e cuida do ferimento dele. Para depois descobrir que ou era fugir da cidade ou ser forçada a se casar com um interesseiro desprezível. Por isso, Amani acaba realizando o sonho de fugir da Vila da Poeira, mas de uma forma bem longe da discrição que ela considerava necessária: ao lado de um forasteiro, perseguido pelo exército do sultão, galopando em um cavalo mágico.

– Em um mundo onde magia e violência se misturam, em meio a guerra como resultado da briga pelo poder, Amani vai descobrindo quanto existe além da Vila da Poeira. Como que nem tudo correspondia aos sonhos de liberdade e menos sofrimento que ela acreditava que havia longe de onde vivia. E todos os caminhos levavam ao forasteiro, Jin, de quem ela tentou se livrar, mas com quem volta e meia acabava colidindo. Apesar de ser obrigada a se disfarçar como homem (mulheres não teriam muita chance), a habilidade com a arma a salvava e era uma parte importante do papel que representou ao longo da viagem, por proteger a si mesma, a Jin e outros inocentes. Só que ela não consegue salvar todo mundo. E passa a ver dor, a ver sofrimento e a conviver com o risco de ser presa, agredida e morta.

– Na primeira parte da série (aparentemente será uma trilogia), somos apresentados aos personagens, ao contexto, às motivações de cada um dos lados nesta disputa. Percebemos as descobertas que Amani faz sobre si mesma – que vão muito além do sonho de deixar a opressão familiar e encontrar um lugar onde pudesse ser feliz e ter paz. Houve algumas coisas que me deixaram curiosas, até que algumas suspeitas foram se confirmando na segunda parte da trama. E realmente eu não esperava por uma das revelações feitas aqui (embora depois quando me lembrei de algumas coisas mencionadas ao longo da trama, me dei conta de que não percebi antes por estar com o foco em outras coisas, enfim, pastelando). A escrita da autora é coesa – não é do tipo que enrola e costura bem as informações para compor a trama; a reta final é daquelas que você não consegue parar até descobrir o desfecho e posso adiantar que não há o “gancho maligno dos infernos” (daqueles que te fazem perguntar: “cadê o próximo livro?!”).

– No entanto, claro que ainda há coisas a serem resolvidas e contas a serem acertadas, que ficam para as próximas partes. Instiga a imaginação, misturando elementos que conseguimos encontrar referências na nossa realidade e incluindo criaturas sobrenaturais que estão longe de serem “apenas lendas passadas de geração em geração” – por este aspecto, daria um bom material pra adaptação visual. Agora é esperar a próxima parte da jornada de Amani em busca de si mesma.

Série A Rebelde do Deserto

1 – Rebel of the sands – A Rebelde do Deserto

2 – Traitor to the Throne – lançamento previsto para 2017

3 – Sem título divulgado em Inglês

Capa, ficha técnica, sinopse

rebelde

A Rebelde do Deserto

Rebel of the sands

Alwyn Hamilton

ISBN:9788565765992
Editora: Seguinte
Número de páginas: 232
Encadernação: Brochura
Formato: 16 x 23 cm
Ano Edição: 2016

Sinopse

O deserto de Miraji é governado por mortais, mas criaturas míticas rondam as áreas mais selvagens e remotas, e há boatos de que, em algum lugar, os djinnis ainda praticam magia. De toda maneira, para os humanos o deserto é um lugar impiedoso, principalmente se você é pobre, órfão ou mulher.
Amani Al’Hiza é as três coisas. Apesar de ser uma atiradora talentosa, dona de uma mira perfeita, ela não consegue escapar da Vila da Poeira, uma cidadezinha isolada que lhe oferece como futuro um casamento forçado e a vida submissa que virá depois dele.
Para Amani, ir embora dali é mais do que um desejo — é uma necessidade. Mas ela nunca imaginou que fugiria galopando num cavalo mágico com o exército do sultão na sua cola, nem que um forasteiro misterioso seria responsável por revelar a ela o deserto que ela achava que conhecia e uma força que ela nem imaginava possuir.

Bacci!!!

Beta