Olá!

Queridos leitores do Blog . Já disse em posts anteriores que adoro um livro YA. E também adoro histórias de mutantes, super heróis ( Marvel e DC , entre eles X-Man, Thor, Batman, Super Homem etc etc) e quando vi que esse livro poderia ter uma história desse tipo, me empolguei.

Só o comecinho, cansou pouco, mas não foi a história, foi o abuso desse recurso, mas é proposital.

-Mas que diabos? Ele olha para mim e depois para a ilusão da fuga. – Estão nos deixando sair?

Eles nunca nos deixarão sair

pág 15

Decidi não ter medo dele. Decidi que suas ações eram mais imaturas que ameaçadoras. Ele me parece tão familiar tão familiar tão familiar tão familiar. Uma vez conheci um garoto com os mesmos olhos azuis e minhas lembranças não me permitem que o odeie.

pág 16

O livro é o que está se passando “dentro da cabeça” de Juliette, nossa personagem principal. O ponto de vista dela. Mostra o pensamento frenético, os rabiscos, o que ela não deveria ter sequer pensado, e uma falta de pontuação em alguns trechos e repetição de palavras, para acentuar esse frenesi,  os sentimentos dela, de alguém que não pode ser tocado, ou tocar. Que foi abandonada pelo mundo, tachada de psicótica, de letal. Após matar não intencionalmente uma criança. Aprisionada há 264 dias em um hospício.

Seis mil, trezentas e seis horas desde que toquei outro ser humano.

pág 5

A história é muito legal, mostra um mundo destruído pelos próprios seres humanos, tudo cinza, com doenças, falta de alimento,  uma realidade distópica como pano de fundo, a sociedade controlada pelo Restabelecimento, que está enganando a todos, para dominar, deter o poder.

Juliette, após 264 dias de isolamento, passa a dividir a cela com Adam, que a princípio é hostil, mas ela o reconhece como um antigo colega de escola. Aqueles olhos…

Daqui para frente o livro é pura ação. Ela é espancada, descobre que Adam faz parte do exército e o líder psicopata Warner é obcecado por ela e quer usá-la com fins destrutivos, claro. Adam mostra a Juliette que sempre a amou, que não é o cara-bonitão-malvado e sim o mocinho será?   O Restabelecimento terá muito trabalho. E um emaranhando de acontecimentos vai se desenvolvendo. E quem sabe o que mais nos aguarda nos próximos livros, pois um “mutante”, um “super herói” nunca vem sozinho?

O livro é bem diferente dos YA que tenho lido, e por ser um onde a mocinha é uma arma letal que não pode tocar ou ser tocada ( para mim, ela é parecida com a Vampira de X-Men), fiquei ansiosa para  ler a continuação, já que será uma trilogia. E a autora só preparou os nossos corações e deixou no ar com aquele gostinho de quero mais. A capa é linda, a diagramação é bem agradável para leitura. Recomendo!

 

 

Capa, ficha técnica, sinopse:

Estilhaça-me

Shatter me

Tahereh Mafi
ISBN:  9788563219909
Editora:  Novo Conceito
Número de páginas: 304
Encadernação: Brochura
Formato: 16 x 23 cm
Ano Edição: 2012

 

Sinopse

Juliette nunca se sentiu como uma pessoa normal. Nunca foi como as outras meninas de sua idade. O motivo: ela não podia tocar ninguém. Seu toque era capaz de ferir e até matar.

Durante anos, Juliette feriu e, segundo seus pais, arruinou o que estava à sua volta com um simples toque, o que a levou a ser presa numa cela.

Todo dia era escuro e igual para Juliette até a chegada de um companheiro de cela, Adam. Dentro do cubículo escuro, Juliette não tinha notícias do mundo lá fora. Adam ia atualizando-a de tudo.

Juliette não entendeu bem o que estava acontecendo quando foi retirada daquela cela e supostamente libertada, ao lado de Adam, e se vê em uma encruzilhada, com a possibilidade de retomar sua vida, mas por caminhos tortuosos e totalmente desconhecidos.

“Estilhaça-me” é um romance fantástico, que intriga, angustia e prende o leitor até a última página com uma história surreal que mistura amor, medo, aventura e mistério e traz um desfecho surpreendente.

Booktrailer

 

See ya!