Confira a resenha de O Diário Internacional de Babi da autora Chris Salles, publicado pela Outro Planeta, selo da ed Planeta.

Aqui em casa de vez em quando é necessário lembrar que não há mutantes na família. Ou seja, ninguém lê mentes. Portanto, se não for dito claramente, ninguém saberá.
Se a família Henkels soubesse disso teria evitado tanta confusão…
Personagens: as aventuras e desventuras de Bárbara “Babi” Henkels dos Santos em Orlando

Babi, a mãe e os irmãos estavam de mudança definitiva para Orlando nos Estados Unidos. O recomeço fora do país, contanto com o apoio de familiares que já moravam lá, foi a última alterantiva, mas não tinha sido bem aceita pela filha do meio, que desabafava todas as dúvidas, angústias e dificuldades em um diário. O encontro com um garoto bonito no aeroporto; o reencontro com os primos; os micos e confusões; os problemas de comunicação; o bullying de umas garotas que a viam como rival, coisas que se somam e podem levar a uma decisão drástica por parte de Babi.

Comentário:

– Então, quando ninguém deixa clara a regra do jogo, fica difícil estabelecer uma visão conjunta de um fato a partir de um ponto de vista único. Narrado em primeira pessoa, afinal de contas, estamos lendo o diário da adolescente de 15 anos, temos os relatos da tristeza por deixar uma vida estabelecida, com os amigos de sempre, a escola e a cidade que conhecia rumo ao desconhecido. A partir dos próprios sentimentos, do ponto de vista e das reações ao que ocorre, Babi conta a história desta mudança.

– Babi precisa benzer, urgentemente. Vai ter falta de sorte assim lá longe, credo. Tudo que pode dar errado, dará errado, especialmente quando ela age pra dar certo. Dá meio desespero com a sequência de fazer Bridget Jones aplaudir e gritar “Essa é minha garota!”. E como Babi se sente a desprestigiada da família, com a mãe preferindo Alice, a mais velha e Dani, o caçula, não conta o que ocorre para ela, o que leva a uma bola de neve de mentiras, confusões e consequências.

– Tem o garoto lindo, Theo, que ela quer impressionar e conhecer melhor. Só que ele tem uma meia irmã ciumenta, Megan e que torce para que ele reate o namoro com a melhor amiga, Zoey. Daí, volta e meia, as três estão se estranhando. (A marmota com o aparelho ortodôntico me tiraria do sério. E posso garantir, por experiência própria, que não tem projeto de bully que sobreviva pra contar a história quando o modo “eu fora do sério” é ativado a todo vapor). E se na infância, ela teve uma quedinha pelo primo Vinícius, agora as atitudes dele a deixam desconcertada e incomodada.

– A lição que fica é que nunca a gente está sozinho, mesmo quando parece. Afinal de contas, temos outras pessoas por perto que se importam conosco e nos amam, portanto, podemos contar com elas. E da mesma forma, devemos parar pra pensar que elas também possuem sonhos a serem alcançados e problemas a serem resolvidos – e que merecem igualmente nosso respeito e ajuda. Por isso, mais que criar tempestades em colherinhas de chá, devemos manter a serenidade para passar pelas turbulências. Por ser adolescente – e sem informações importantes que a ajudariam a se situar melhor – Babi vai amadurecer, vai aprender que a vida nem sempre será como a gente quer, mas a gente pode aprender a tirar o melhor dela.

Capa, ficha técnica, sinopse

diario babi

O Diário Internacional de Babi

Chris Salles

ISBN: 9788542207682
Editora: Outro Planeta
Número de páginas: 271
Encadernação: Brochura
Formato: 15 X 21 cm
Ano Edição: 2016

Sinopse

Mudar nunca foi a palavra preferida de Bárbara. Porém, depois da separação dos pais, a garota de 15 anos se vê obrigada a migrar com a mãe e os irmãos para Orlando, a cidade americana onde os sonhos ganham vida. E descobre que a fronteira entre o real e o ilusório pode ser mais difícil do que parece.

Bacci!!!