Renato Russo – The 42nd St. Band: romance de uma banda imaginária @cialetras #resenha


42st-band

Confira a resenha do livro The 42nd St. Band: romance de uma banda imaginária – Renato Russo, org Tarso de Melo, publicado pela Companhia das Letras

Como li por aí, o baú de Renato Russo parece não ter fim. Mente inquieta, compositor atemporal e escritor de sentimentos que estão passando de geração em geração. O mais incrível é descobrir estas manifestações da mente dele, como a trajetória da fictícia The 42nd St. Band.

Três primos de idades semelhantes que descobriram a música juntos foram além ao se unir a Taylor e Reeves, criarem e estabelecerem a 42nd St. Band. Composta por britânicos e norte-americanos, incensadas pela imprensa pela quantidade de obras-primas, o livro narra por meio de depoimentos, relatos e etnrevistas a trajetória do grupo, suas diferentes formações, fases e abordagens, comprovando porque se tornaram um dos grandes nomes do cenário mundial.

Comentários

– É fato público que, aos 15 anos, Renato sofreu de uma rara doença óssea e ficou acamado. A única coisa que podia fazer era escrever. E o adolescente criou a história de uma banda que explodiu como sucesso mundial. Várias pessoas vão traçar os paralelos com a jornada da Legião, mas confesso esta não foi a minha preocupação. Meu fator de curiosidade foi perceber como ele usou tudo que se informava sobre as bandas e estilos musicais que gostava ou que eram sucesso na época para criar a 42nd St. Band. Lembrem-se de que ele fez isso em meados da década de 1970, quando computadores pessoais e internet nas casas não eram cogitadas pela maioria das pessoas, celulares eram tecnologia futurista. Para saber do mundo do rock, só através de revistas e publicações especializadas que os amigos traziam  das viagens ao exterior.

– É um texto perfeito? Provavelmente não. É melhor que as minhas tentativas de criar qualquer coisa quando eu tinha 15 anos? Com certeza! Os mais apaixonados vão encontrar todas as referências, se bobear, até as que não existem! É curioso? Sim, até para quem entende quase nada ou pouco do contexto musical que ele menciona. Ah, aos 15 anos, o desafio da minha vida era aprender corretamente “Losing my religion” do R.E.M., ou seja, não tinha a menor capacidade de pensar em Inglês, quanto mais criar narrativas intrincadas como as sobe a 42nd St. Band. Yep, todos os textos do livro foram escritos originalmente em Inglês e traduzirdos por Guilherme Gontijo Flores. Como não houve uma escrita cronológica, foram blocos soltos relacionados à banda, coube ao Tarso de Melo organizá-los. E na minha modesta opinião, ele fez escolhas acertadas. Há uma ou outra coisa confusa (a morte/não morte de um personagem é um deles), mas a gente consegue compreender.

– Letras de canções, discografias completas, capas de álbuns, diversas cronologias, entrevistas de diferentes fases. Ele realmente aproveitou o tempo elaborando tudo o que pensou ser necessário: backgrounds dos persoangens, termos técnicos, processo criativo, desavenças na banda, relacionamento amo-odeio com a imprensa britânica, experiências de estilos, projetos abandonados.

– Vi textos de críticos que detestaram, considerando “ofensiva” a publicação de um texto rascunhado por um adolescente sem maturidade e experiência de vida. Mas creiam, você provavelmente já leu ou lerá coisas piores por aí. É pessoal, o baú do Renato Russo não tem fim. Como fã, posso afirmar que a capacidade dele de me surpreender é igualmente infinita.

Capa, ficha técnica, sinopse

renato russo the 42nd st band

The 42nd St. Band: romance de uma banda imaginária

Renato Russo

Tarso de Melo (org)

ISBN: 9788535926569
Editora: Companhia das Letras
Número de páginas: 216
Encadernação: brochura
Formato: 14 X 21 cm
Ano Edição: 2016

Sinopse

Entre os quinze e os dezesseis anos, enquanto convalescia de epifisiólise (rara doença óssea), Renato Russo — à época, ainda chamado Renato Manfredini Jr., em Brasília — criou a história de um grupo de rock formado em 1974, em Londres, a partir do encontro de ícones como Mick Taylor, dos Rolling Stones, e outros roqueiros imaginados pelo futuro líder da Legião Urbana.
Da origem à separação da banda, passando por momentos de sucesso astronômico, Renato pensou em cada detalhe. A partir do personagem Eric Russell, figura central da “42nd St. Band”, nasceria Renato Russo, um dos maiores artistas brasileiros de todos os tempos, que tem, portanto, sua gênese revelada neste estrondoso romance inédito.
Bacci!!!

Beta

Previous BASTIDORES LITERÁRIOS - Como Assim, Apropriação Cultural?
Next Lisa Kleypas - A Redenção @gutenberg_ed #resenha

13 Comments

  1. Olá! Tipo curti muito legião urbana, mas nesse não é o tipo de literatura que me desperte interesse. Bjs

  2. Gaby Cunha
    24/11/2016

    Olha, simplesmente AMEI! Já quero, foi pra lista do skoob de desejados! =) Resenha ótima como sempre!
    Obrigada pela dica, não conhecia esse lançamento! Bjs

  3. 23/11/2016

    Olá!
    Apesar de a história de Renato ser bem interessante, esse livro não me chama a atenção simplesmente porque eu não gosto do cantor e nunca senti vontade de conhecer mais sobre a sua vida. Não curto muito biografias, então vou deixar essa dica de lado.
    Beijos.

  4. Ola´´aá
    ah que legal, eu quero muito ler eu adoro Renato russo e legião no geral e sempre quis ler e saber mais sobre ambos no geral, adorei o post

    Beijos

  5. 23/11/2016

    Tinha deixado um comentário enorme e tão lindinho…. e não foi 🙁
    Nem lembro direito tudo o que comentei, mas vou tentar de novo…
    Quando vi o livro antes de ler sua resenha tive uma impressão de que era apenas algo para relembrar o Renato, pegar carona em seu nome ou algo do tipo. Não imaginava que era algo que me pareceu tão interessante.
    A crítica é muitas vezes ingrata, e não leva em consideração o período em que foi escrito. Poxa, com 15 anos em um momento em que celular era coisa futurista??? Não seria qualquer adolescente que se empenharia tanto para uma história.
    Ok, claro que pode não ser uma obra prima, mas como você mesma comenta, ainda leremos coisas muito piores. Existem muitos livros escritos atualmente, com toda a informação que a internet disponibiliza em apenas um clique que não é nem um pouco interessante, ou então que é simplesmente muito ruim. E digo isso sem querer desmerecer e nem enaltecer o trabalho de ninguém… É apenas um fato!
    Fiquei querendo conhecer a ‘história’ da 42nd 🙂
    Beijinhos,
    Lica

  6. 22/11/2016

    Oi Beta, sua linda, tudo bem?
    Confesso que não costumo ler esse gênero, gosto mais de livros de ficção. Mas como fã do Legião e do Renato, fiquei curiosa. Se tiver a oportunidade vou ler. Gostei muito da sua resenha.
    beijinhos.
    cila.

  7. 21/11/2016

    Olá,
    Desconhecia a obra, mas fiquei bem feliz em saber suas impressões.
    Renato Russo sempre acaba surpreendendo não é mesmo… parece que as coisas a seu respeito não tem fim.
    Achei as críticas bem pesadas em relação à obra e não sei se fazem jus a ela. Só lendo mesmo para saber.
    Creio que para os fãs tenha sido uma obra muito interessante.

  8. 18/11/2016

    Oi Beta!
    Menina, confesso que o livro não é a minha primeira opção de leitura, mas achei bem interessante. Eu conhecia um pouco da história do Renato, mas não sabia dos detalhes. Gostei dessa dica.
    bjks!
    Histórias sem Fim

  9. Oi, Beta.
    Fiquei super curiosa quando esse livro foi lançado.
    Sou fã das músicas do Renato Russo e nem imaginava que ele pudesse ter escrito uma história, ainda mais algo assim tão profético! rs…
    Vou tentar ler!
    Beijos
    Camis

  10. 18/11/2016

    Olá, tudo bem?

    Verdade, Renato Russo é mesmo um baú sem fim. Ele tinha uma mente indecifrável e extraordinária, mas era tb uma alma muito sofrida e deu umas pisadas na bola com seus fãs em um determinado período. Renato é um dos meus artistas preferidos, suas músicas nos tocam profundamente. ele era um ser extraordinário e tb ordinário – rs.
    Enfim, apesar da questão de quando foi escrito e de um pouco da confusão, super adoraria ler!

    Beijo!
    Ana.

  11. Memórias da Cat
    18/11/2016

    Suas resenhas sao sempre muito engraçadas kkkkk gostei de saber que não é perfeito, mas é melhor do que uma coisa que faríamos com 15 anos kkk com certeza! O cara é o gênio. Beijos

  12. Karine Fernandes
    17/11/2016

    Fiquei sabendo sobre o lançamento desse livro a algum tempo, mas o genero não me atrai muito, porém minha colunista ama então irei indicar para ela. Parabéns.

    Beijos.

  13. Beta Oliveira
    17/11/2016

    ?

Deixe um comentário! Quero saber o que achou do texto ;)