Desde que essa temporada começou tive meu pé atrás com ela, mas o começo pegou como sendo a estranheza por ter tramas que realmente me interessaram ou esperar que elas fossem ser arruinadas como vinha acontecendo. Mas depois de temporadas de uma trama muito enrolada e sem rumo, a série achou seu norte e está seguindo por ele, e muito bem.

Todas as três tramas principais se encaixam perfeitamente e dependem uma da outra, temos a história de Billith, o campo de concentração do Governador (com ajuda de Sarah Newlin) e Warlow. E pela primeira vez que me lembro o roteiro tem deixado aquelas tramas que fazem True Blood perder o fôlego, como sempre devem ser: fora do foco principal! Essas tramas são Terry e Arlene e Alcide, seu bando, Sam e Nicole.

Sobre Terry e Arlene eu fiquei passada com a morte de Terry! Achei algo totalmente dispensável sendo ele um dos personagens secundários, que mesmo com tramas bobas onde era colocado, ainda era um personagem dos menos chatos, com tanta gente secundária na série merecendo morrer, escolher Terry foi no mínimo, crueldade. Mas temos aqui que aplaudir a cena dele morrendo nos braços de Arlene, coisa linda e encheu meus olhos d’água.

A história de Sam e Nicole fugindo de Alcide e o bando, só não fica mais chata, porque sempre espero que Joe ache que está filmando “Magic Mike” e resolva, para alegria da audiência feminina, mostrar o corpinho. Mas a trama em si é muito chata! Alcide pode ter aquela cara de alfa mas acho que só tem mesmo é jeito pra striper alfa, lobo alfa ele tá deixando a desejar , que até as lobas estão querendo lutar pelo cargo de chefe da matilha. Aqui nem vou citar a historinha dele com o papai.

Nas tramas principais tivemos a ‘revelação’ do passado de Warlow, que era um fada (como se chama um fada-macho?) que foi transformado por Lilith e prometeu que ele seria a salvação dos vampiros, tendo sido alertado a não retornar para sua aldeia, ele foi esperto passou anos longe mas não resistiu de saudades de casa e voltou… e acabou sugando a aldeia fada inteira.

Pois bem então Warlow não é o vilão que pintaram até aqui, mas bondade pura o moço não é, e passou milênios esperando sua noiva fada/vampira nascer para que pudesse casar com a moça.

O vampifada contou para Sookie que seus pais foram mortos pois iam matá-la, a moça não acreditou e lembrou do dom de Lafayette de falar com os mortos e foi fazer sessão com ele. Com papai Stackhouse possuindo Lafa e tentando afogar Sookie não poderia ser outro se não Warlow pra salvar sua amada do papai.

Agora vamos falar de Bill! Nunca gostei dele quando era bom moço, depois ele começou a se transformar em não tão bom moço, comecei a gostar um pouco, mas agora? Estou adorando a fase Billith e toda sua história de “os fins justificam os meios” para salvar a vampirada no campo de concentração. Fora que descobrimos que Warlow foi transformado por Lilith, pois Bill o sente e o arrasta para usá-lo como doador de sangue de fada, tudo isso ordenando como maker!

O que posso falar da cena em que Bill chega a mansão do Governador leva as balas de madeira no peito e continua andando e depois massacra todos eles? Adorei a sequência toda!!! Mas é uma pena a morte do Governador, aquele que mais perto chegou de exterminar os vampiros. Agora é esperar e ver o que Sarah está planejando.

Agora, na trama central da série, tivemos dois episódios eletrizantes e ágeis, plot que poderia ter levado vários episódios para se desenvolver foi desenvolvido e deixando só a resolução para os próximos. No campo de concentração começamos a ver a visão de Bill tomar forma quando vemos como Pam, Jessica, Eric e Tara vão parar lá. Nesses episódios descobrimos o grande plano do Governador para acabar com a raça dos vampiros: contaminar o Tru Blood com Hepatite V. Tivemos também o inicio do plano de fuga de Eric, Nora e Willa sendo colocado em ação, com os vampiros sabendo da existência do vírus para extermínio dos vampiros. Sem esquecer de Jason, que sempre é um alivio cômico nos piores momentos, se alistando no “exercito do Governador” para salvar Jessica.

Algo que não posso deixar de falar é da sequência de Pam na terapia, como ela tenta demonstrar frieza e também que não se importa com Eric, mas quando colocados frente a frente para demonstrar o quanto o vinculo com seu maker é quebrado após a “liberdade” eles não conseguem se atacar. É até engraçado pensar que o núcleo Fangtasia era tido como o dos vampiros vilões e sem moral enquanto Bill era o vampiro que odiava ser vampiro e não bebia sangue humano, quanta reviravolta!